Curiosidades - Publicado em 19.ago. 22

Levante de lésbicas no Ferro’s Bar, que deu origem ao Dia do Orgulho Lésbico, no Brasil (Foto: Reprodução)

Enquanto em junho é conhecido como Pride Month, no Brasil em agosto, celebra-se duas datas fundamentais para o movimento de mulheres lésbicas: dia 19, o Dia do Orgulho Nacional Lésbico; e dia 29, o Dia Internacional da Visibilidade Lésbica.

O ano era 1983, São Paulo, e “Ferro’s Bar” era um bar frequentado predominantemente por mulheres lésbicas, mas apesar disso, os donos do local eram bem resistentes quanto ao seu próprio público. Certa noite, eles decidiram proibir a circulação do boletim “ChanacomChana” no local, primeira publicação ativista lésbica do Brasil, e expulsaram as autoras do local.

Então, no dia 19 de agosto, Ativistas do Grupo Ação Lésbica Feminista (Galf) ocuparam o lugar para protestar contra os abusos e preconceitos que ocorria no local.

Rosely Roth, antropóloga e ativista, foi símbolo e pioneira do movimento lésbico no Brasil. Em outubro de 1981, junto com Míriam Martinho, ela foi fundadora do “Grupo Ação Lésbica-Feminista”, e também contribuía no ChanacomChana.

19 de agosto, marca a memória à essa primeira grande manifestação de mulheres lésbicas no Brasil, e que ficou conhecido como o nosso “Stonewall brasileiro”.

 





Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.