Notícias - Publicado em 25.mar. 22

As atrizes, que são muito amigas na vida real, deram uma exclusiva para a revista She Knows. O Lesbocine traduziu completa. Leia a seguir.

Stefania Spampinato, Danielle SavreABC.

Uma das maiores histórias de amor da televisão está acontecendo em “Station 19” da ABC – as personagens de Maya Bishop e a Dra. Carina DeLuca (agora compartilhando um sobrenome com hífen após o casamento da temporada passada: DeLuca-Bishop) são ricas, complexas e absolutamente dignas de “shippar”Os fãs adoram chamar o casal de “Marina” e são viciados nas atrizes que os interpretam, Danielle Savre (Maya) e Stefania Spampinato (Carina). A SheKnows conversou com Savre e Spampinato sobre a química intensa de suas personagens, os desafios que enfrentaram na temporada passada e o que vem a seguir para um de nossos casais favoritos da TV .

Após os altos e baixos de seu namoro e trabalhando com o trauma de Maya, “Marina” se uniu ao longo dos anos para não apenas se casar, mas também começar uma família. A quinta temporada da série trouxe à tona sua jornada de fertilidade e o que significa tentar ter um filho em um relacionamento LGBTQ +A história de Maya e Carina é trazida à vida pela grande equipe de roteiristas, atualmente liderada pela produtora executiva/showrunner Krista Vernoff, e pela inegável química entre Savre e Spampinato, que dizem ao SheKnows que foi mágico “já na leitura de mesa”.

Reprodução ABC

Spampinato lembra que na primeira vez que leram a cena (que as personagens se conhecem) juntas, “a sala congelou”, embora nunca tivessem se encontrado antes daquele momento extraordinário. “Todo mundo estava prendendo a respiração e era apenas uma reunião no bar de Joe,” ela diz, “Mas a química era tão forte naquela cena, toda a sala sentiu. Foi louco.”

Mas elas são mais do que uma paixão fora do comum: elas estão representando histórias importantes que não vemos o suficiente na TV, e ambas estão cientes da importância de seu trabalho, de jornadas de fertilidade à representação LGBTQ+. É isso que torna essa união fictícia tão crucial, especialmente em um momento de turbulência política no mundo real e legislação anti-LGBTQ+.

Alguns dos aspectos emocionais da história de Savre como Maya foram informados por sua decisão pessoal na vida real de doar seus óvulos para seu amigo de infância, Chris Ogden-Harkin, e seu marido, Jacob Ogden-Harkins. Eles tiveram uma linda filha, Aspen Grey, em novembro de 2021 , e isso abriu ainda mais o mundo de Savre para o que a definição de família realmente significa.

“Uma família pode ser qualquer coisa hoje em dia, e por causa da ciência, tantas coisas são possíveis”, ela compartilha, “Família não é o que a sociedade fez parecer – você pode fazer o que quiser. Sinto que família não é mais só sangue. Todo o enredo me comove muito e me deixa muito emocional às vezes, um pouco apaixonada demais.”

Embora a Geração Z e os Millennials também sejam fãs desse relacionamento, Spampinato acredita que Maya e Carina também estão mudando as mentes das gerações mais velhas porque se apaixonaram pelos personagens.

“Sinto que é a geração mais velha que acha difícil ver”, explica ela. “E quando uma pessoa diz, ‘o casamento deve ser entre um homem e uma mulher’, e então eles veem um casal bissexual na frente de seus olhos com duas pessoas que eles gostam, eles pensam, ‘OK, tudo bem’. É o conceito que eles não gostam. Isso abre suas mentes.”

Savre também comenta que os fãs gostam de ver “um casal gay muito saudável e forte” que “não está constantemente em estado de turbulência”, o que é uma parte muitas vezes esquecida da representação. “Você nos viu amadurecer e estamos em um lugar muito bom agora”, acrescenta ela. “E vamos ter obstáculos que são naturais e normais.”

Imagem carregada com preguiça
Stefania Spampinato, Janai KaylaniABC/Craig Sjodin.

Alguns desses obstáculos virão nesta temporada à medida que lidam com, como Savre chama, “os altos e baixos” de tentar ter um bebê (embora ambas as atrizes admitam que não têm muita visão de onde a história está levando-as ainda). Para Savre, ela quer que seja “o mais real possível quando se trata de lidar com esse processo”, já que ela tem alguns insights em primeira mão de sua própria jornada de doação de óvulos“Você está lidando com hormônios, está lidando com emoções, está lidando com uma terceira pessoa na situação”, diz ela. “Só espero que eles mostrem a realidade de que somos humanas e, durante esse período, há muitas emoções intensificadas.” Mas, em última análise, ela quer que os escritores da Station 19 representem seu enredo como “um casal gay que é feliz e tem um filho”.

Spampinato também concorda que ela tem esperanças com o que não aconteça com Maya e Carina, mostrando o quanto ambas estão investidas nas personagens tendo o resultado alegre que merecem. “Oh meu Deus, eu odiaria vê-las sofrer se não puderem ter um bebê”, diz ela emocionalmente. “Então definitivamente é isso que eu quero… um final feliz.”

Station 19 está em exibição nos EUA.

Fonte: aqui 

Tradução: Lesbocine

 





Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.