Notícias - Publicado em 21.mar. 22

Embora sempre muito reservada, Maitê Proença aproveitou a agenda de divulgação de seu livro, O Pior de Mim, para compartilhar alguns detalhes sobre seu relacionamento com Adriana Calcanhotto. A obra deriva de uma peça de teatro homônima que está em cartaz desde 2020 e é composta por vários fragmentos da vida pessoal da atriz. A boa fase profissional repleta de vulnerabilidade ofereceu a chance perfeita para um bate-papo sobre sexo e intimidade com a Veja Rio, publicado na última quinta-feira (17).

Aos 64 anos e em sua primeira relação pública com uma mulher, Maitê contou um pouco sobre sua jornada para redescobrir o prazer sexual:

“Minha relação com prazer foi tardia. A sexualidade implica entrega absoluta e, por muitos anos, não estive pronta para isso. Agora é bem mais legal, sim. Antigamente eu estava lá investigando, experimentando um pouco aqui e ali. Precisei fazer muitas experiências para chegar a um lugar mais livre e relaxado.” 

Durante a entrevista, ela também enfatizou a conexão com Calcanhotto, destacando que consegue dialogar com a cantora e se sentir compreendida. 

Reprodução

O casal passou a circular junto em setembro do ano passado e logo gerou burburinho nas redes sociais. Embora ambas jamais tenham escondido o namoro, também evitam compartilhar a maior parte dos detalhes com os fãs. 

Maitê também explicou a decisão de preservar a privacidade de sua vida com Adriana:

“Acho bonito ser discreta neste mundo em que a vulgaridade corre solta em todos os meios. Eu me reservo ao direito de manter essas coisas na intimidade, de não ficar dando satisfação à sociedade, mas ao mesmo tempo também não escondo o que estou fazendo.”

Intensa, a conversa passou por temas espinhosos como abuso, assédio, traumas familiares e, como não poderia deixar de ser, homofobia:

“Acho que neste momento as pessoas estão mais comedidas com relação ao preconceito, elas têm medo das consequências. Ainda assim, recebi mensagens nas redes do tipo “você me decepcionou” ou “isso é pecado”. Ora, com homem não é pecado, mas com mulher é?”

A entrevista pode ser lida na íntegra aqui. O Pior de Mim, publicado pela Editora Agir, chega às livrarias em abril. Já a montagem teatral da obra retoma a temporada presencial no Rio de Janeiro a partir da próxima sexta-feira (25). Os ingressos podem ser adquiridos neste link.

 





Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.