Crítica - Publicado em 04.jan. 22
Diretor: Filippo Meneghetti 
Gênero: Drama
Duração: 1h35m
Ano: 2019
Sinopse:

Nina e Madeleine, duas mulheres aposentadas, tem um relacionamento secreto por anos. Para toda família elas são apenas vizinhas, porém elas se dividem entre os dois apartamentos compartilhando os prazeres da vida juntas. Um dia, após um evento inesperado, o relacionamento delas vira de ponta cabeça o que leva a filha de Madeleine a descobrir aos poucos a verdade sobre elas.


Assista o trailer:

Rotten Tomatoes: 98% | Metacritic: 82

Como o amor é capaz de sobreviver a uma tragédia, e também ser fortalecido por ela. 

Por: Raquel Oliveira

O Drama francês de 2019, foi comercialmente lançado em 2021 para concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro na temporada 2021. Conta a história de duas mulheres mais aposentadas, Nina e Madeleine, que vivem um romance secreto por mais de duas décadas. Clandestinamente, elas dividem uma rotina como casal e planejam até se mudar para outro país, mas um acontecimento inesperado muda o rumo de suas vidas.

Madeleine é uma mulher viúva e aposentada, tem dois filhos e um neto, já Nina é mais independente, não tem laços passados. Ambas vivem secretamente seu romance na sua bolha, uma vez que Madeleine não consegue assumir para seus filhos sua essência. Vendo nesse ponto do roteiro já podemos esperar que há conflitos na relação delas, mas não é o caso aqui. Aqui, o tempo é um aliado e paciente.

Toda a estrutura montada no primeiro ato nos familiariza com a relação de Madô e Nina, aparentemente simples, mostrando que nem todo filme de romance lésbico precisa ter uma cenas de sexo, às vezes, só queremos ver a intimidade, as trocas de carinho, os olhares apaixonados. O longa de pronto muda sua perspectiva no segundo ato, aprofundando uma complexidade à medida que se desenvolve. Um acontecimento com Madeleine após um desentendimento com Nina, acaba afetando sua saúde de forma irreversível. O roteiro está nos argumentando que manter uma mentira, que se agrava com o passar do tempo, pode custar não apenas a sua saúde, mas também seu estado físico. É desse ponto que somos inseridos numa sofrida, mas bonita luta do amor contra tantos obstáculos, muitos permanentes.

Com grandes performances de Barbara Sukowa e Martine Chevallier, Two of Us (Deux) é puramente sobre amor. Como o amor é capaz de sobreviver a uma tragédia, e também ser fortalecido por ela. Como o amor não tem idade, ultrapassa décadas. É um longa silenciosamente inovador, partindo do ponto de vista de casal lésbico mais velho, nos mostrando que lá no fim, ainda que não tenha sobrado mais nada do que era antes, se uma têm a outra, então elas têm tudo.





Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.